IBOPE realiza pesquisa sobre sustentabilidade nas empresas no Brasil


Levantamento feito com empresas nacionais e multinacionais que atuam e nosso país mostrou que apenas 48% delas tem políticas de sustentabilidade com metas e ações planejadas     

            Em mais de 40% das empresas consultadas pelo IBOPE para uma pesquisa sobre sustentabilidade, são as equipes de marketing e comercial que geram as ações relacionadas ao tema. Para Shigueo Watanabe, diretor executivo do IBOPE, esse número ajuda a entender porque o peso das ações ainda se volta mais para a imagem da empresa ou de seus produtos do que um comprometimento com o médio e longo prazo.   Talvez também contribua para esse grande domínio do pessoal do marketing sobre as ações de sustentabilidade da empresa o fato de que essa tendência está claramente entrando no mundo corporativo por pressão dos consumidores: 70% dos entrevistados afirmaram que seus clientes já procuraram saber se a organização tem algum projeto de sustentabilidade implantado. Ao responder como os empresários acreditam que será o consumidor de 2022, 91% dizem que os consumidores estarão mais atentos ao posicionamento sustentável, onde comprarão marcas de organizações socialmente responsáveis, 83% acham que os consumidores estarão dispostos a pagar mais caro por produtos que não agridam ao meio ambiente e 69% afirmam que a relação custo/benefício será o critério principal de compra.  O estudo do IBOPE foi feito com 400 médias e grandes empresas brasileiras e multinacionais atuantes no Brasil, dos ramos da indústria, comércio e serviços, para saber como o empresariado vê e trata a questão ambiental. E ele indicou que 94% dos entrevistados dizem ter conhecimento sobre o assunto. Porém, apenas 48% das empresas ouvidas tem políticas de sustentabilidade com metas e ações planejadas. Outras 45% praticam ações pontuais e 7% afirmam não ter qualquer medida para um modelo de gestão sustentável.  Ou seja, entre a intenção e a ação ainda há um abismo de boas práticas que indicam a grande probabilidade de “escorregadelas” – os malfadados Pecados Verdes do Greenwashing.  Outro item que chama a atenção é que apenas 34% das empresas escolhem diretores e conselheiros buscando equilíbrio por sexo e cor e somente cerca de 30% tem metas para equilibrar a quantidade de mulheres e homens ocupando os mesmos cargos e funções. Por outro lado, um quinto dos membros dos conselhos ou comitês de sustentabilidade – quando tais órgãos existem na hierarquia das empresas consultadas – não pertencem aos quadros da corporação, o que demonstra que começa a existir a percepção de que a amplitude e dinâmica do tema exigem opiniões de pessoas de fora da empresa, explica Watanabe. O IBOPE fez essa pesquisa porque está lançando uma nova divisão, o IBOPE Ambiental, área que atuará com consultoria para projetos em segmentos como estratégias de sustentabilidade, gerenciamento e reporte de emissões de gases de efeito estufa para governos, autarquias e setor privado e também com certificações, inicialmente nos mercados de carbono, regulados e voluntários, validando e verificando projetos de redução de emissões.
Escrito por Silvia Dias em www.revistassustentabilidade.com.br

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s