Generosidade: um ato de amor ao próximo


William Sanches

William Sanches

Algumas pessoas, infelizmente, agem como se as outras não existissem. Incrível isso. É só observar a saída do metrô, por exemplo. Algumas pessoas aguardam na porta, antes mesmo das outras saírem, elas empurram e entram. Essa cena repete-se diariamente em cada parada do metrô. Aprendi nas aulas de física que um corpo não pode ocupar dois lugares ao mesmo tempo. É impossível! Aprendi, ainda, que a educação é a ferramenta essencial no convívio humano. Esse exemplo é visto, às vezes, na saída do elevador. É necessário que as pessoas desçam para que as outras entrem. Muito simples, mas uma lógica também esquecida. A impressão que se tem é que algumas pessoas vivem realmente como se as outras não existissem. É como se o mundo delas fossem elas mesmas. A Generosidade pode ser vista em atos mais simples. Não é necessário dispor simplesmente de um valor material para praticar a generosidade, ela pode estar presente num simples sorriso, no tempo que dedicamos para ouvir o outro, na atenção que damos às pessoas que nos cercam, na prática da educação etc. São atitudes simples que fazem a diferença. Muitas vezes a correria nos impede de praticar, por isso ela deve estar em todos os lugares e momentos, deve fazer parte de nosso eu.

Quando praticamos a generosidade estamos praticando o amor ao próximo. Pode parecer que nossas atitudes sejam pequenas e insignificantes diante de tanta coisa ruim que acontece, mas imagine isso como um efeito dominó. É comum aquele que haja grosseiramente receber a resposta também com grosseria. O presente só é nosso quando o recebemos, quando não o aceitamos, o presente volta com a pessoa que ofereceu.

Todos as pessoas possuem sua contribuição, possuem suas características, suas funções, seus detalhes que, quanto mais se convive, mais se descobre. Todos somos filhos de Deus e nascemos para evoluir e amar o próximo como se fosse nós mesmos.

O conto da “Rosa e o sapo” que exemplifica essas situações de generosidade e amor ao próximo de forma especial: certa vez existia em um jardim uma rosa muito bonita, que se sentia envaidecida em saber que era a rosa mais linda naquele jardim, mas começou a perceber que as pessoas só a observavam de longe e acabou se dando conta de que, ao seu lado dela sempre havia um sapo grande, feio e asqueroso e esta era a razão das pessoas não se aproximarem. Indignada com a descoberta, ordenou que o sapo saísse de perto dela imediatamente. O sapo, muito humildemente, foi embora, se afastou de vez. Algum tempo depois, o sapo passou próximo de onde estava a rosa e se surpreendeu ao vê-la murcha e sem pétalas. Penalizado, perguntou a ela o que havia acontecido. Ela, muito envergonhada, explicou que desde que o sapo foi embora, as formigas se aproximaram e a comeram dia após dia, por isso estava acabada, sem vida e sem sua beleza tão adorada pelos outros. O sapo explicou que, quando estava por perto, ele comia todas as formigas que se aproximavam, por isso ela conseguia ser a rosa mais bonita do Jardim.

O ser humano é social por natureza. Foi criado para viver com seu semelhante e a mágica da vida é justamente viver e conviver com essas diferenças. Acontece que dentro desse mundo pequenino que alguns vivem, eles são o centro, são a beleza suprema e a excelência propriamente dita. O sapo em sua atitude simples praticava a generosidade sem mesmo a rosa perceber. Muitas vezes, não valorizamos os outros, por acharmos que somos superiores, mais bonitos, de mais valor e achamos que os outros não nos servem para nada, muito pelo contrário, a cada espaço, a cada olhar, a cada gesto existe uma forma de expressão e não podemos esquecer da linguagem mundial: educação. Deus não fez ninguém para ‘sobrar’ neste mundo. De repete, aquele que você pensa estar fazendo o mau, esteja salvando você das formigas.

Escrito por **William Sanches** – PRESENÇA CONFIRMADA PARA O 2º CONGRESSO DE RECURSOS HUMANOS DO INTERIOR PAULISTA COM A PALESTRA – ” Conhecimento – Objeto de Transformação Político Social”

** William Sanches nasceu em São Roque, São Paulo. 

Ainda na adolescência, iniciou sua carreira como professor nos cursos técnicos de uma pequena escola profissionalizante.

Desde então, dedica-se à educação. Já em São Paulo, formou-se em Letras, posteriormente aprimorou seus conhecimentos com o curso de pós-graduação em Língua Portuguesa e Literaturas. Comprometido com a educação, também cursou Pedagogia. 

Participou de importantes congressos no Brasil e no exterior, entre eles, o VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais na Universidade de Coimbra, Portugal.

Autor dos Livros PEDAGOGIA DO COMPROMISSO, MAIS RESPEITO! e VEM SER. Também é Colunista da Revista Contemporânea e do Portal DestaqueSP.

Atualmente, é Professor Universitário em São Paulo e também se dedica às palestras que profere em todo Brasil. 

Seus temas estão sempre voltados para as questões humanas tais como: educação, respeito, amor, fé e espiritualidade.

Como convidado, participou de importantes programas de televisão e de rádio, realizou centenas de palestras e já falou para um público estimado em 300 mil pessoas.

Anúncios

Um pensamento sobre “Generosidade: um ato de amor ao próximo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s