Consultor (a): Substantivo, Adjetivo ou sei lá o quê?


Benedito Milioni

Benedito Milioni

Chegando ao apartamento de um hotel de determinada cidade, onze da noite, desfazendo mala (um horror!) e separando os materiais que utilizaria no curso para o qual fui contratado, eis que toca o fax, o que me levou a pensar: “Puxa! Sou deveras importante! Nem cheguei e o dever clama desesperado, por mim!”.

Examinando o longo fax, enviado por uma dessas mocinhas especializadas no suprimento de carências de senhores desacompanhados, três informações me chamaram a atenção: a garantia de qualidade dos serviços em proposição, os atestados médicos sobre a saúde da prestadora de serviços… E o título “CONSULTORA EM PRAZER DE VIVER”.

Consultor que sou, admirei o marketing mais que direto da moçoila, passando rapidamente (juro!) os olhos pelas formas da dita, evidenciadas em fotos com zoom fechado em detalhes. Após avaliar a estratégia de marketing, voltei para o título do fax e quase urrei: “Basta! Assim, não há tatu que resista!”. Tudo e qualquer um são “consultores”? E os profissionais que se preparam durante muitos anos para competir no mercado como prestadores de serviços especializados é o quê?

Há tempos venho observando como é fácil nomear uma função ou cargo como “consultor”. Eis algumas das minhas constatações: consultora de beleza (moças e senhoras que atuam no segmento de vendas diretas de cosméticos), consultora de degustação (moças que oferecem provas de produtos em supermercados), consultor de recepção (em oficinas para autos), consultor físico (depois mudou para personal trailer), consultor de estilo (que ensinam aos emergentes como devem produzir o seu visual para brilhar nas casas noturnas) e, valha-me um santo que queira proteger os consultores, vi, numa dessas feiras esotéricas, uma placa que apontava para várias barraquinhas onde eram feitas consultas com as diversas linhas e abordagens: CONSULTORES ESPIRITUAIS!

Penso, em nome da liberdade de cada um, que se possa dar o nome que melhor convier para o que seja desejado. Embora não concorde com o aviltamento da expressão “consultor (a)”, uma praga que apenas mais e mais distorce o verdadeiro significado e importância dessa especialização profissional, reitero o que penso e dito na frase anterior, mas creio que é chegada a hora de chamar a atenção para algo mais grave.

Em RH e da noite para o dia, o título “consultor” vem sendo indiscriminadamente impresso nos crachás de pessoas ainda em processo de capacitação profissional e, o que é mais terrível, para identificar um cargo que é uma verdadeira salada de especializações e domínios inconsistentes. Então, faz-se assim: reduz-se em 50% ou mais o quadro de técnicos de RH, despeja-se a responsabilidade nos ombros dos que sobraram e, gloriosamente, passa-se a chamá-los de “Consultores de RH”.

Não é raro constatar, dentre os ungidos com esse bombástico título, que hes falta a experiência mínima em várias das especializações da Gestão de RH, mas não importa: são consultores e devem agir como tal!

Se RH não cuida da precisão e adequação da nomenclatura dos seus cargos, é legítimo perguntar como está fazendo em relação aos demais de toda a estrutura da empresa. Longe, muito longe de defender a tola tese de que apenas os veteranos podem ser qualificados como consultores, negando, pois, os talentos de jovens profissionais querem chamar à atenção para a adoção de critérios fundamentados quando se tratar da identificação de cargos e funções, o que compete, historicamente, à gestão de RH.

E a precisão deve começar nos seus próprios cargos e funções! As editoras Makron Books e McGraw-Hill, dentre outras, dispõem de vários títulos a respeito da Consultoria, os quais podem ajudar muito na arquitetura de uma nomenclatura específica.

Recorde-se de que tanto foi aviltada a expressão “assessor”, que acabamos chegando ao hilário “aspone”! E não queremos ser, um dia, chamados de “consulpones”, bastando as piadas que não raro ouvimos a respeito dos consultores de maneira geral.

Por Benedito Milioni

2 pensamentos sobre “Consultor (a): Substantivo, Adjetivo ou sei lá o quê?

  1. Ocês num sabe o que arranjei de gente querendo colocar o meu nome na boca de um sapo cururú tei-tei, costurada com linha de paletó de defunto….por causa desse artigo! Mas veleu a pena: soltei o verbo e falei o que muitos pensam mas não falama: RH é coisa séria e CONSULTOR EM RH é mais sério ainda e estamos conversados!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s